AGENDA     |       BLOG     |       (48) 3369-1722
  MATRÍCULA     |       ÃREA RESTRITA

UMA ESCOLA DIFERENTE

DESENVOLVENDO APRENDIZAGENS SIGNIFICATIVAS.

Núcleo de Transição

 

Como será desenvolvido o trabalho no núcleo de transição a partir de 2019

 

O Núcleo de Transição compreende crianças em processo de alfabetização, e se propõe a estabelecer uma ponte de transição da criança da educação infantil, para o núcleo de desenvolvimento. Ao longo deste período (que abrange o 1º ano do ensino fundamental e 2º ano durante o primeiro semestre letivo), crianças desenvolvem os projetos de pesquisa de forma integrada em grupos de interesse comum.

É neste núcleo que o trabalho voltado para a alfabetização e numeralização se efetiva, iniciando o processo de sistematização de conceitos e conteúdos, além do objetivo de encorajar e auxiliar a criança na construção de sua autonomia, responsabilidade e da base para aprender a pesquisar. Todo este processo é mediado por orientadores através de problemáticas levantadas pelas crianças, suas necessidades e curiosidades, observando o que e como cada criança está significando nesse processo de interação.

Os temas de projetos são escolhidos coletivamente, em assembleia, e no decorrer destes, são trabalhadas habilidades curriculares a partir de propostas pedagógicas lúdicas, reflexivas e com o olhar sensível de modo a ver cada criança em sua singularidade e desenvolvimento próprio, proporcionando espaços e tempos de descobertas significativas, que partem de seu interesse, objetivando o conhecimento, a troca, o respeito e a percepção de si e do outro no espaço escolar.

Assim, as propostas são organizadas para que as crianças possam circular por diferentes espaços que visam, além de fomentar a compreensão acerca da função social da leitura e da escrita, proporcionar a exploração como fonte de investigação e descobertas para que a criança formule hipóteses com base em seus conhecimentos prévios, estabelecendo relações, contextualizando e desenvolvendo a capacidade de expressar e socializar os conhecimentos de diferentes maneiras e
com diferentes formas de registro.

 

Alfabetização


 

Desde a chegada na Educação Infantil as crianças são instigadas a perceber a função social da escrita em uma sociedade letrada. Situações envolvendo o uso verdadeiro deste recurso levam as crianças a perceberem a necessidade de tal instrumento para suas vidas, assim propostas como produção textual, leitura de diferentes gêneros e o trabalho com a interpretação, análise de texto e inferências permeiam o trabalho desenvolvido nessa fase. Dessa forma, utilizam verdadeiramente a escrita como um instrumento de comunicação.

Ao longo do percurso dos anos iniciais a criança é convidada a refletir sobre os aspectos técnicos (letras, fonemas, sílabas, frases), assim, dentro de situações em que possam perceber as regras gramaticais e ortográficas, constroem tais conceitos, fazendo uso destes em suas produções escritas e orais.

 

Como é adaptação

 

O período de adaptação da criança na escola é realizado sempre com o acompanhamento da família ou responsáveis, se houver necessidade, com o intuito de garantir a segurança necessária para enfrentar o ambiente e os adultos desconhecidos por ela. Ao orientador, cabe a tarefa de realizar a adaptação da criança, estimulando-a a brincar, explorar o espaço escolar e estabelecer relações. O orientador deverá ser para a criança a ponte entre a família e o novo ambiente, construindo um vínculo de confiança para que, mais à frente, este fique sem a presença da família de maneira segura, evitando sofrimentos desnecessários. A adaptação acontece gradativamente, respeitando a criança e a família, durante o tempo que for necessário para o seu bem-estar.

 

Projetos de Pesquisa


 

O primeiro projeto do ano parte de um tema gerador proposto pelos orientadores, pensado de forma acolhedora para proporcionar a interação, reconhecimento do espaço, autonomia e segurança às crianças. Os subtemas deste projeto são organizados e planejados de modo a atender os interesses e curiosidades trazidos pelas mesmas, pois estudar e aprender tem que fazer sentido para a vida. Sendo assim, a partir de observações, conversas e assembleia, as crianças vão levantando problemáticas, hipóteses e expressando diferentes formas de ver e viver o mundo, traduzindo em linguagens próprias suas necessidades e vontades, que são valorizadas e trazidas em forma de diferentes espaços investigativos em que terão contato com seu objeto de interesse, apropriando-se da pesquisa e alfabetização científica, além da alfabetização propriamente dita, enquanto linguagem oral e escrita.

O ponto de partida dos projetos seguintes se inicia pelo interesse dos estudantes. Dentre as possibilidades, são abarcadas as diferentes áreas do conhecimento e os conhecimentos curriculares específicos de cada ano, ampliando o currículo as necessidades do projeto. Por fim os objetivos da Base Nacional Comum Curricular são estendidos/ampliados, por vezes levando o estudante a necessidade de estudar conteúdos que vão além do que é previsto para tal ano escolar.

No guia de estudos, são organizados pelos orientadores os conhecimentos curriculares e subjetivos, as possíveis estratégias de pesquisa, vivências práticas e saídas de campo. Cada projeto de pesquisa tem a duração de um bimestre e ao final deste, são feitas propostas de socialização dos saberes e conhecimentos estudados e apreendidos.

Para que a visibilidade e concretude das problemáticas levantadas durante o projeto sejam consolidadas, vivências dentro e fora da escola serão proporcionadas, como saídas de campo, propostas lúdicas e encantadoras, vinda de profissionais à escola, dentre outras estratégias, incentivando intercâmbios culturais, levando o estudante a perceber dentro de um contexto concreto seu estudo.

Nessa proposta permite-se que as potencialidades individuais sejam exploradas de forma criativa e autônoma, encorajando cada estudante a perceber-se enquanto sujeito ativo de sua aprendizagem e proporcionando a descoberta do prazer acerca do saber e da construção do conhecimento.

 

Assembleia
 

Pensando num processo democrático e participativo que vise trazer para o espaço coletivo da escola a reflexão sobre o nosso papel na sociedade, incentivando o protagonismo de todos e construindo um ambiente ativo e democrático, as assembleias se tornam fundamentais, pois nesses momentos os adultos e estudantes da escola são levados a refletir, tomar consciência de si mesmos e transformar/melhorar tudo aquilo que consideram importante e pertinente.

Mensalmente acontecem assembleias em que, através do diálogo, os envolvidos buscam melhorar o trabalho no espaço escolar, implicados a discutir princípios, valores, construir e reconstruir regras, de modo a termos um espaço harmonioso e democrático para todos.


 

Como acontece a avaliação na Escola dos Sonhos?



Na Escola dos Sonhos a avaliação é processual, qualitativa e descritiva, ela acontece diariamente no decorrer do processo por meio de diferentes ferramentas de acordo com cada núcleo.   
 
Para nós, cada estudante é único e por isso com particularidades, cada um tem seu tempo, seu próprio desenvolvimento. Não utilizamos provas, testes e notas como ferramentas avaliativas, já que acreditamos que a todo dia o estudante busca dentro de sua individualidade superar os desafios do processo ensino aprendizagem.

No Núcleo de Transição, as observações e registros diários geram pareceres descritivos que são entregues às famílias ao final de cada bimestre.

Durante todo o percurso os estudantes são mediados pelos orientadores/as, que em diferentes situações buscam contribuir para que os objetivos estabelecidos para cada núcleo sejam alcançados. Se tais objetivos não forem alcançados, a criança é encaminhada ao Laboratório de Estudos.




Laboratório de estudos

 

Garantida pela LDB, art. 24 inciso V, a criança tem o direito a receber a recuperação progressiva e continuada ao longo do ano ou até que suas necessidades sejam supridas. Aqui na Escola dos Sonhos, para assegurar esse direito, a escola oferece no contra turno, para o Núcleo de Desenvolvimento e Núcleo de Aprofundamento (segundo semestre para o Núcleo de Transição) o Laboratório de Estudos, buscando auxiliar o estudante nas dúvidas que por vezes impedem o avanço
do seu desenvolvimento.

Acreditamos que cada estudante tem seu tempo e ritmo de desenvolvimento, porém quando percebemos que ele não está conseguindo compreender determinado conhecimento, e isso está gerando insegurança e desconforto, orientamos esse recurso. No Laboratório de Estudos são realizadas propostas de atividades direcionadas para superar as dificuldades existentes.


 

Posso matricular meu filho com 5 anos no Ensino Fundamental?

 

Não. A Lei nº 11.276 que ampliou o ensino fundamental de oito para nove anos de duração e a Resolução nº 06/10 regulamentam que a criança deverá ter a idade de 06 anos completos até o dia 31 de março do ano em que ocorrer a matrícula para poder entrar no ensino fundamental.




Aniversários

 

No Núcleo de Transição, uma vez a cada bimestre será realizado um lanche coletivo onde cada estudante trará a sua contribuição para festejar os aniversariantes do período. Esta comemoração ocorrerá ao final de cada projeto de pesquisa.

A ESCOLA DOS SONHOS

Escola dos Sonhos oferece uma formação diferenciada, onde o conhecimento e a sensibilidade se misturam para a construção de um mundo diferente.

              

IMAGENS + RECENTES